sexta-feira, 2 de abril de 2010

Gargalhada

Era uma gargalhada alta e aguda.
Quanto mais a balançavam, mas ela ria. E os cachos dourados dela voavam com o vento. As pequenas mãos seguravam com força no balanço.
E não importava o calor, o sol forte, as outras crianças ao redor. Não importava a bola que voava de um lado para o outro, nem a voz adulta dizendo para irem mais devagar.
Com a cabeça pra traz ela simplesmente pedia:
- Mais forte, mais forte!
E era atendida.
Não havia preocupações, angústias, medos. Não havia pensamentos de qualquer espécie. Apenas aqueles olhinhos arregalados e um sorriso nos lábios acompanhado da gargalhada. Ahh a gargalhada! Como era boa de ouvir.
Para qualquer outra pessoa, uma cena normal de uma criança se divertindo. Pra mim, que observava fascinada da janela, um momento de felicidade plena, pura e simples.
Eu me vi nela!

2 comentários:

Marina Melz disse...

se ver numa criança é bonito porque mostra a tua inocencia do lado esquerdo do peito.

Jony disse...

Olá Deise,

Belíssimas palavras como sempre.
Preciso muito te dar um abraço e colocarmos a fofoca em dia.
Soube que vc se emocionou bastante em sua formatura, parabéns pela conquista.
Grande abraço fraternal.
De seu SEMPRE amigo Jony.
;)