quarta-feira, 7 de maio de 2008

Quando eu morrer

Quando eu morrer não quero lágrimas nem tristeza. Não quero velório nem músicas fúnebres. Não quero coroas de flores, caixão de luxo ou velas acesas. Não quero que falem de mim como uma santa que não tem pecados.

Quando eu morrer, vou ter vivido tudo o que sempre quis viver. Terei viajado pelo mundo, conhecido os melhores amigos e o que realmente é a amizade. Terei tido a chance de fazer o bem para várias pessoas e me sentir digna por essas atitudes. Terei conquistado o topo profissional e sentirei orgulho de mim. Terei lido livros interessantes, ouvido todas as músicas que me agradam, sentido todos os medos, mas me arriscado sempre, vivendo intensamente cada segundo.

Quando eu morrer, terei derramado todas as lágrimas necessárias e sorrido sempre que possível. Vou ser importante para algumas pessoas e outras nem saberão da minha existência. Terei a certeza de que vivi tudo, pois faço de cada dia da minha vida o último, assim não me arrependerei de nada e não me sentirei triste por ter deixado de fazer algo.

Quando eu morrer, não quero que sintam pena de mim. Estarei feliz, pois em vida, conheci o amor. Quantas pessoas passam toda a existência em busca disso e vão embora sem nunca ter experimentado o sabor doce de amar e ser amado. Quando eu partir, lembrem de mim como a mulher que amou e viveu, não como aquela que apenas passou pelo mundo sobrevivendo à ele. Partirei com a certeza de que não sou e nunca serei perfeita, mas que sentimentos verdadeiros sempre habitaram o meu ser e assim será por toda a eternidade.

5 comentários:

Thiago Floriano disse...

poucas pessoas têm coragem de pensar na própria morte... menos ainda têm coragem de falar a respeito... "Quando eu morrer não quero lágrimas nem tristeza." - Isso é bonito, e acho que muita gente gostaria que a hora da partida fosse celebrada sem dor, mas, infelizmente, pela nossa formação cultural isso se torna impossível...

Marina Melz disse...

quando você morrer, uma lágrima vai cair dos olhos de várias pessoas. mas, de qualquer forma, quando você morrer o mundo vai perder um pouco da determinação que tens, e os céus vão ganhar um pouco mais de luz.

Marta De Divitiis disse...

Lindo o texto, assim como você... Espero não estar viva no dia que você morrer querida, para não sentir a dor de sua perda, embora eu saiba que ainda assim continuaremos amigas...

Tiago Ribeiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tiago Ribeiro disse...

Deise, aí está um momento que poucos têm a possibilidade de ter: dizer com sinceridade aos que já se foram tudo o que desejava ter dito.

Enquanto continuas do nosso lado, aproveito o tempo para dizer que estás entre as mulheres de maior força e superação que conheci.

Ainda, quando fores - apesar de não querer estar de olhos abertos para presenciar -, estarei entre as pessoas que Marina citou. Muito mais quando ouvir música que, como sabe, é um elo entre nossa amizade.

Deixe eu ir primeiro.