quarta-feira, 9 de abril de 2008

Percepções

Ainda estamos no verão e o sol ainda não despontou no céu. A brisa da manhã ainda é gelada e o que mais visualizo na rua são pessoas apressadas e motoristas impacientes. O trânsito, como geralmente ocorre, está caótico.

Passo a observar atentamente as pessoas. Todas com um semblante sério, como se estivessem de mal com o mundo. São os olhos, no entanto, que me chamam a atenção. Pequenos oceanos profundos, misteriosos, singelos, tristes...

Dizem que os olhos são as janelas da alma. Concordo com essa afirmação. Eles podem não dizer nada, mas dizem tudo. Com palavras, todos podemos mentir, enganar. Mas os olhos... ahh os olhos. Eles parecem ter vontade própria. Expressam exatamente o que passa lá no fundo do nosso coração, da nossa mente, da nossa alma.

É... são esses olhos impacientes, risonhos, sonhadores, de quem quer conquistar o mundo, que por enxergar nessa manhã gelada. Só precisei prestar atenção e sentir. Sentir que todas essa pessoas, antes de começar em seus respectivos trabalhos, viajam em seus pensamentos e chegam no ponto mais profundo de suas almas.

Quando a campanhinha do ônibus toca, é o momento em que se deve retornar ao mundo real. O sol agora está timidamente aparecendo atrás das nuvens. Finalmente, mais um dia começou e a vida segue.

2 comentários:

Marina Melz disse...

coo eu já disse que adorei o texto e a idéia de teres um blog, só quero te dar boas-vindas!

beijo e bom projeto pela frente!

Bruna disse...

êêêêêê!!!!Que legal Deise!!Adorei muito!!
=***